Três em cada quatro frequentadores assíduos de boates, bares e danceterias correm o risco de perda permanente da audição

Tempo de leitura: 3 minutos

Três em cada quatro frequentadores assíduos de boates, bares e danceterias correm o risco de perda permanente da audição
Seg, 16 de Abril de 2012 03:10
Os jovens em geral não ligam para conselhos, mas os
especialistas alertam: o excesso de barulho pode levar à
surdez. Permanecer pelo menos meia hora por dia em
lugares muito barulhentos pode afetar, para sempre, a
capacidade de ouvir.

Segundo o England’s Royal National Institute of Deaf, três em cada quatro frequentadores
assíduos de boates, bares e danceterias correm o risco de perda permanente da audição. E o
perigo não está só em locais fechados, mas também nas ruas, nas micaretas e durante o
Carnaval, por exemplo.
1 / 4Três em cada quatro frequentadores assíduos de boates, bares e danceterias correm o risco de perda permanente da audição
Seg, 16 de Abril de 2012 03:10
A perda de audição afeta dez por cento da população mundial. No Brasil, cerca de vinte e oito
milhões de pessoas têm problemas auditivos, destes, 9.8 milhões possuem deficiência auditiva
e 2.6 milhões não ouvem absolutamente nada. A estatística é alarmante. Segundo médicos e
fonoaudiólogos, os que gostam de baladas devem tomar cuidado. Quando estiverem expostos
a muito barulho, como nas proximidades de um trio elétrico, devem se afastar a cada duas
horas para locais mais silenciosos e lá permanecer por, pelo menos, vinte minutos, como forma
de evitar o risco de perda auditiva.
A fonoaudióloga Isabela Pereira Gomes, explica que também existe outro jeito de auxiliar na
prevenção da perda auditiva induzida por ruído. Ela recomenda o uso de protetores auriculares
ou “Tampões”. “Eles reduzem o volume excessivo, mas quem usa não deixa de ouvir o som
ambiente. São indicados principalmente para músicos, DJs, motociclistas e até dentistas”. Os
protetores – ou atenuadores, como são chamados – podem ser feitos em acrílico e moldados de
acordo com a anatomia do ouvido de cada pessoa. Estes protetores podem reduzir em até 25
decibéis o barulho do ambiente.
Outro perigo para a audição são os MP3 players, que estão na moda entre os jovens. Usados
com frequência pela garotada, possuem earphones que, em contato direto com os ouvidos,
podem fazer mal à saúde, se a música estiver sempre em volume alto. O vocalista do grupo
Jota Quest, Rogério Flausino, é uma das vítimas ilustres. Ele perdeu 30% da audição de um
dos ouvidos por causa do uso do earphone durante os shows. Sua lesão é irreversível.
2 / 4Três em cada quatro frequentadores assíduos de boates, bares e danceterias correm o risco de perda permanente da audição
Seg, 16 de Abril de 2012 03:10
A Sociedade Brasileira de Otologia – SBO, que lançou a ’Campanha Nacional da Saúde
Auditiva’ em novembro de 2011, destaca também o impacto da poluição sonora e os abusos do
ruído excessivo na saúde auditiva dos jovens. Além disso, lembra que em várias profissões os
trabalhadores também correm o risco de perda de audição, por causa do barulho durante a
jornada de trabalho. São operadores de britadeiras, operadores de áudio em estúdios e
emissoras de rádio e funcionários de gráficas, entre outros. Não se deve ficar exposto a ruídos
de 85 decibéis por mais de oito horas por dia. Isso corresponde ao barulho de um caminhão

Fonte. SBO-Sociedade Brasileira Otorrinolaringologia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *