fevereiro 2016

Você está navegando os arquivos do site de fevereiro 2016.

1 minuto Desinformação e falta de exames periódicos aumentam riscos. Muitos diabéticos desconhecem que o excesso de açúcar no sangue pode causar, gradativamente, perda auditiva Os números do Diabetes no Brasil, segundo a pesquisa Ibope, não param de crescer. De acordo com o levantamento de 2013 , 13,4 milhões de pessoas possuem a doença no pais e 23% da população nunca realizaram nenhum teste de glicemia, que mede a taxa de açúcar(glicose) no sangue. A falta de informação e os hábitos inapropriados colaboram para Continue lendo

1 minuto De acordo com estimativas da OMS, este número deve crescer para 1.1 bilhões até 2015 – aproximadamente 16% da população mundial. Apenas um terço das pessoas com perda auditiva são idosas. A maior parte estão em idade escolar ou são adultos. Diversos estudos mostram que aproximadamente 65% das pessoas com perda auditiva têm perda leve, 30% moderada e 5% têm perda auditiva severa ou profunda. Estudos também mostraram que apenas uma em cada cinco pessoas que poderiam se beneficiar de um aparelho Continue lendo

5 minutos Grande ênfase tem sido dada à saúde auditiva em 2014. Como médico, você deve rotineiramente solicitar uma avaliação auditiva para os seus pacientes. Além de encaminhar os pacientes para testes audiométricos e encorajá-los a tratar a perda auditiva, é importante informá-los sobre os riscos caso eles ignorem a perda de audição. “Idosos com perda auditiva tem maior risco de desenvolver demência ao longo do tempo, comparados a quem tem audição normal… Nossos achados mostram o quanto é importante para o médico discutir Continue lendo

3 minutos Estudo aponta que, a cada 10 decibéis perdidos de audição, chances de demência, como o Alzheimer, aumentam 27%. Imagine um mal silencioso, indolor e gradual, que vai prejudicando as funções do organismo aos poucos, fazendo com que, ao se dar conta, os estragos causados já sejam evidentes. Assim é a perda auditiva, uma doença que, ao contrário do que muitos pensam, não acomete apenas pessoas em idade avançada. Muito pelo contrário, está presente na vida de 16% da população mundial, segundo dados Continue lendo